afp.com-20121204-PH-MVD-Mvd6464834-highres-scaled-aspect-ratio-930-440
🇧🇷 Curto Brasil

Quem foram os deputados e senadores eleitos em 2022?

3-out 17:20
6 min
Créditos da imagem: AFP

Encerrado o primeiro turno das eleições deste ano, o Poder Legislativo já tem novos nomes para 2023. O PL, partido do presidente Jair Bolsonaro, elegeu bancada de número recorde para o Congresso Nacional, com 99 novos deputados. A federação do PT veio em seguida, com 79 deles. Os partidos do Centrão obtiveram 235 cadeiras.

Milhares de candidatos das eleições 2022 disputaram cargos para formar o Poder Legislativo em 2023. A nível nacional, este poder é composto por duas casas: o Senado Federal, com 3 senadores federais por estado, e a Câmara dos Deputados, formada por 523 deputados federais eleitos pelas 27 unidades da federação em número proporcional às suas populações.

Nos plano estaduais, há as Assembleias Legislativas, onde deputados estaduais propõe leis e fiscalizam o trabalho dos governadores. Veja quantos nomes foram eleitos para cada casa neste 2 de outubro:

  • 27 senadores foram eleitos para preencher as 81 cadeiras do Senado Federal. Cinco deles conseguiram reeleição do mandato, que tem duração de 8 anos;
  • 513 deputados federais foram escolhidos para a Câmara dos Deputados para um mandato de 4 anos;
  • 1.035 deputados estaduais foram eleitos nos 26 estados do país, e 24 deputados distritais no Distrito Federal.

A cara do novo Senado

Veja como fica a nova formação do Senado Federal (CNN)

O Partido Liberal (PL), do presidente Jair Bolsonaro, foi o que mais conseguiu conquistar vagas para o Senado em 2023. A sigla elegeu oito senadores e, com isso, ocupará 14 cadeiras.

O astronauta Marcos Pontes (PL) foi o candidato mais votado do país para o Senado. Ex-ministro da Ciência e Tecnologia de Bolsonaro, recebeu sozinho mais de 10,7 milhões de votos.

O segundo partido que mais elegeu senadores foi o União Brasil, que a partir de fevereiro de 2023, contará com 5 cadeiras.

O Partido dos Trabalhadores, do ex-presidente Lula, veio em terceiro, conquistando 4 cadeiras no Senado.

Como ficou a Câmara dos Deputados?

Aqui, o Partido Liberal (PL) se sobressai em números, como na disputa por cadeiras do Senado. Dez das 27 unidades federativas brasileiras elegeram um candidato da sigla.

  • Bancada do PL vai de 77 titulares atuais para 98 no próximo ano;
  • PT-PCdoB-PV, União e MDB também elegeram grandes bancadas, com 80, 59 e 42 representantes, respectivamente. A federação partidária do PT foi, assim, a segunda que mais cresceu na Câmara para 2023.

Para 2023, foram eleitos para a Câmara dos Deputados 23 partidos, 7 a menos que em 2018 e menor soma registrada nos últimos 4 anos. A diminuição do conjunto de partidos tende a facilitar negociações de medidas entre presidente e Congresso. (Poder 360º)

Os deputados eleitos começam seus mandatos em janeiro de 2023 e permanecem no cargo por 3 anos. Veja mais detalhes da composição na reportagem do G1 ou consulte quais foram os deputados estaduais e distritais eleitos por unidade da federação no site do Nexo.

Infográfico: Nexo Jornal

Mulheres e LGBTQIA+

Pela primeira vez na história, brasileiros elegeram duas deputadas trans para representá-los na Câmara. Erika Hilton (PSOL-SP) foi a 9ª candidata mais votada do estado de São Paulo e Duda Salabert (PDT-MG) a 3ª candidata mais votada em Minas Gerais. (Congresso em Foco)

Representação feminina

Na Câmara, o número de mulheres eleitas cresceu em 2022, mas teve queda no Senado. (Congresso em Foco) Veja um balanço da mudança após esta eleição:

  • Dos 523 deputados eleitos no último domingo (2), 18% são mulheres, um total de 91 candidatas. Em 2018, haviam sido 77 eleitas, formando a atual bancada feminina que representa 15% das cadeiras. Apesar de crescer 3 pontos percentuais em 2022, o aumento de deputadas foi menor em relação a 2018, quando o salto foi de 50%.
  • No Senado, apenas 4 dos 27 candidatos eleitos neste ano são mulheres.

Conheça o projeto Elas no Congresso, que acompanha a tramitação de propostas sobre direitos das mulheres na Câmara e no Senado.

Bancada da bala

Ao menos 23 candidatos apoiados pelo Proarmas, maior grupo armamentista do Brasil, foram eleitos para o Senado e a Câmara neste domingo (2). O fundador do movimento e amigo íntimo dos Bolsonaro, Marcos Pollon (PL), foi o 2º mais votado no Mato Grosso do Sul.

O Proarmas é formado por profissionais de segurança pública, políticos de direita e ex-membros do atual governo. Além de tentar impedir a volta do Estatudo do Desarmamento, o grupo tem objetivo de flexibilizar a política de armas como parlamentares e formar a “bancada dos CACs”, em referência à sigla para caçadores, atiradores e colecionadores. (Veja)

Policiais eleitos

Apenas na Câmara dos Deputados, o número de policiais eleitos avançou 21,4% nos últimos 4 anos, segundo apurou o Fórum de Segurança Pública nesta segunda (3). Dos 34 deputados federais eleitos, quase metade (16) se candidataram pelo PL, seguido pelo PP, com 3. São Paulo foi o estado que elegeu maior número de policiais para a Câmara Federal. Confira a lista completa dos delegados, coronéis, sargentos e capitães eleitos.

Representantes negros

O número de pessoas negras escolhidas como representantes da Câmara dos Deputados cresceu 10% em 2022 em relação ao ano de 2018, passando de 124 a 135.

Apesar do aumento, congressistas brancos ainda são imensa maioria – 369 foram eleitos para assumir no próximo ano.

A autodeclaração de candidatos só passou a ser registrada a partir das eleições de 2014. Antes, a Justiça Eleitoral não tinha mecanismos para identificar candidatos negros. Leia mais na reportagem do Poder 360º.

Curto Curadoria

🚥: pode exigir registro e-ou assinatura
🇬🇧: em inglês
*conteúdos em outros idiomas foram traduzidos via Google Translate
Foto do topo: Pxhere