Reprodução/Instagram @jujuamador
⚡️ Curto Flash

Curtiu? 11 influencers que desbancaram os mitos da maternidade

1-ago 18:58
5 min

O que é maternidade real e como ela é diferente do que muitos de nós esperamos? O movimento de desglamurização da cena das “mãeinfluencers” vai te explicar isso e muito mais.

Curtinho

Conheça 11 mães instagrammers que estão educando a rede sobre a maternidade real:


O chão sem uma mancha sequer, as roupas dobradas e guardadas, o sono e as refeições em dia. Esse é o ideal de maternidade que mães influencers tentam emplacar como normal nas redes sociais, mas que está longe da realidade. Para algumas mães (e pais), essa onda de positividade foi traduzida como uma abordagem tóxica, por causa culpa e piorar sua saúde mental. (The Guardian*)

As chamadas “mães reais” rejeitam o fetiche pela figura materna e a criação perfeita dos filhos. Dores, medos, perrengues e tropeços são encarados, por esse grupo, como parte do processo de criar uma criança. Algumas delas usam o humor para abordar sua realidade.

Andressa Reis (@andressareiis)

Essa fotógrafa e influencer digital carioca é mãe de Maria, de 4 anos, Caetano, de 2 e Pedro, seu primeiro filho que faleceu aos três meses em decorrência de uma cardiopatia congênita. Andressa chama a atenção nas redes por explicar, e às vezes quase desenhar, como a vida de uma mãe é cheia de desafios (G1), mesmo que os temas ainda sejam silenciados ou distorcidos.

Seus conteúdos são bem humorados e baseados em aspectos reais da sua experiência de maternagem. Em quadros como o “5 coisas sobre” e o “Toma conta da sua vida” ela alfineta o público com posicionamentos sobre temas que deseja falar.

Mas, como uma mãe preta se expondo na internet, Andressa sente que “não pode errar” em certos momentos. Apesar de falar e se posicionar sobre o racismo, ela conta que seu “foco é falar da criação dos meus filhos para além da cor da minha pele” em entrevista ao podcast Senta Direito Garota.

Em suas publicações no Instagram, ela nomeia cada situação vivida como mãe e destaca expressões do estereótipo ou da experiência materna, como rede de apoio materno, parceiro ausente/participativo, limites inegociáveis, cansaço e culpa materna, carga mental, patriarcado.

Sophie McCartney (@tiredandtested)

Em 2017, a comediante inglesa Sophie McCartney viralizou com uma paródia da música Shape of You, do Ed Sheeran, em que fala sobre sobre os percalços da sua vida como mãe. Sophie tem dois filhos, de 9 e 6 anos, e faz diversas outras paródias em suas redes. Sob o mantra de que não poderia e “não queria escrever um manual de como maternar”, ela relatou suas experiências em “Tired and Tested: The Wild Ride into Parenthood“, obra lançada em fevereiro deste ano. O glamour na vida com os filhos não é uma preocupação da autora.

Na verdade, ela acredita que 90% dos seus seguidores estão ali porque se identificam com as situações do dia a dia que registra nas redes, como atrasos e desastres nas atividades com as crianças. “Todos mundo já passou por essa situação e ver alguém passar por isso faz com que se sintam muito melhor”.

O livro de Sophie tornou-se um Best-Seller e foi premiado pelo Sunday Times. “Antes de ir para a universidade eu não conseguia encontrar um cara para compartilhar um saco de batatas fritas, muito menos compartilhar meu DNA”, contou Sophie em seu livro. E complementa que, após ter filhos, “ninguém pode se dar ao luxo de sair, porque todo mundo está economizando para uma extensão da cozinha(…)”.

Curto Curadoria

(Foto do topo: Reprodução/Instagram @jujuamador)

(:semáforo_horizontal:): pode exigir registro e-ou assinatura
(*) conteúdos em outros idiomas foram traduzidos pelo Google Tradutor