libby-penner-tu0nCdW7V4o-unsplash-aspect-ratio-930-440
🌎 Curto (Sobre)Viver

Como fazer uma ceia de Natal mais sustentável?

24-dez 10:00
3 min
Créditos da imagem: Reprodução/Unsplash

Estamos no meio de uma crise climática e isso não é novidade para ninguém. Pensando nisso, uma ceia de Natal mais sustentável é uma boa alternativa para reduzir as emissões de dióxido de carbono (CO2) e outros gases nocivos ao meio ambiente. Já que o espírito natalino é cheio de boas ações, que tal colaborar com o planeta? O Curto vai te explicar como essa iniciativa pode fazer a diferença.

A iniciativa é boa, mas não é algo simples. Dificilmente a “pegada de carbono” dos alimentos é indicada nas embalagens, então não é fácil descobrir qual é a opção mais sustentável. Uma alternativa é procurar alimentos que, em tese, são menos poluentes.

Segundo uma análise realizada pela cientista de dados Hannah Ritchie, diretora de pesquisa do Our World In Data (OWID), os alimentos são responsáveis por algo entre 1/4 e 1/3 das emissões globais. (O Globo 🚥)

Quem é o maior responsável?

Não restam dúvidas, a pecuária é o setor que mais causa impactos ambientais negativos. A emissão de gases de efeito estufa média de 1 kg de carne bovina, de um modo geral, é 8 vezes maior do que a da carne suína, ou 10 vezes maior que a da carne de aves.

Quando comparada com uma fonte vegetal de proteína, então, a diferença começa a entrar na casa das centenas. Isso significa que, por larga margem, a escolha do componente de proteína é a que mais faz diferença na contagem do impacto ambiental de uma refeição.

Saca só essa lista por cardápio (elaborada com dados do OWID):

Alta emissão

  • Carne bovina (99.48 CO²/kg) ou (49.74 CO²/porção 500g)
  • Arroz (4.45 CO²/kg) ou (1.78 CO²/porção 400g)
  • Tomates (2.09 CO²/kg) ou (627 CO²/porção 300g)
  • Queijo (23.88 CO²/kg) ou (9.552 CO²/porção 400g)

Média-alta emissão

  • Carne suína (12.31 CO²/kg) ou (6.155 CO²/porção 500g)
  • Milho (1.7 CO²/kg) ou (0.68 CO²/porção 400g)
  • Ervilha (0.98 CO²/kg) ou (294 CO²/porção 300g)
  • Uvas/frutos silvestres (1.53 CO²/kg) ou (612 CO²/porção 400g)

Média emissão

  • Carne de aves (9.87 CO²/kg) ou (4.935 CO²/porção 500g)
  • Batatas (0.46 CO²/kg) ou (184 CO²/porção 400g)
  • Outros vegetais (0.53 CO²/kg) ou (159 CO²/porção 300g)
  • Frutos secos (0.43 CO²/kg) ou (172 CO²/porção 400g)

Baixa emissão

  • Tofu (3.16 CO²/kg) ou (1.58 CO²/porção 500g)
  • Outras raízes (0.43 CO²/kg) ou (172 CO²/porção 400g)
  • Repolho, couve-flor, etc. (0.51 CO²/kg) ou (153 CO²/porção 300g)
  • Frutos cítricos (0.39 CO²/kg) ou (156 CO²/porção 400g)

Ah, os drinks também comprometem o meio ambiente, viu? 🍹 A pina colada, por exemplo, tem uma taxa de emissão altíssima, cerca de 6,9g de CO² por kg. A bebida alcoólica com menor pegada de carbono é a cerveja com 0,6g CO² por kg, seguido do vinho tinto, branco ou rosé com 1,87g CO² por kg. A sidra, queridinha do natal, emite 1,1g de CO² por kg. (BBC)

A troca de alimentos na ceia de Natal pode ser uma grande aliada na redução de emissões de carbono, já que o consumo de carne pode ser diminuído. Os produtos orgânicos também podem contribuir nesta jornada, já que são livres de substâncias tóxicas e cultivados por pequenos agricultores. 

Leia também:

(🚥): pode exigir registro e/ou assinatura 

(🇬🇧): conteúdo em inglês

(*): conteúdos em outros idiomas são traduzidos pelo Google Tradutor