33387GP-highres-1-scaled-aspect-ratio-930-440
🗺 Curto Mundo

Peru fecha Machu Picchu por tempo indeterminado; protestos não dão trégua

21-jan 13:33
3 min
Créditos da imagem: AFP

A onda de protestos violentos e ações para contê-la com rigor no Peru segue neste sábado (21). Foram registrados tumultos nas regiões do Norte e do Sul do Peru, em meio a novas manifestações que também tomam a capital Lima, contra a presidente Dina Boluarte. O governo fechou, por tempo indeterminado, o ingresso à cidadela inca de Machu Picchu, por motivos de segurança.

Os choques mais intensos entre manifestantes e governo peruano se concentraram nas regiões de La Libertad (Norte), Arequipa e Puno (Sul), com bloqueios de estradas e batalhas campais.

Enquanto manifestantes atiravam pedras com estilingues, a polícia responde com gás lacrimogênio. Mas os tumultos no país vem provocando mortes: cerca de 50 desde o início de dezembro.

Na região de Puno, uma multidão queimou a delegacia do distrito de Zepita e incendiou um posto alfandegário em Desguadero, na fronteira com a Bolívia, informou a televisão local.

Em Arequipa, a segunda maior cidade do país, dezenas de moradores tentaram, pelo segundo dia consecutivo, invadir a pista de pouso do aeroporto, que está fechado e protegido pelas forças de segurança.

Já na capital do país, Lima, milhares de manifestantes desfilaramentoando palavras de ordem em alto e bom som: “Dina assassina!” e “Esta democracia não é uma democracia! Dina o povo lhe repudia!”.

Com uma bandeira Yunguyo — povo das margens do lago Titicaca na fronteira com a Bolívia — nas costas e usando um chapéu de palha branco, Olga Mamani, de 50 anos, afirmava: “Queremos a renúncia de Dina. Se ela não renunciar, o povo não ficará em paz”.

“A folha de coca nos dá força para esta luta que começamos, queremos que Dina renuncie e que se feche o Congresso […] vamos ficar aqui até as últimas consequências”, disse Antonio Huamán, um camponês de 45 anos que partiu de Andahuaylas, epicentro das manifestações em dezembro.

Na quinta-feira (19), o governo declarou o estado de emergência em sete das 25 regiões do país. Assim, o país segue em intervenção militar junto à polícia, para controle da ordem pública.

Os distúrbios começaram após a destituição e detenção do presidente de esquerda e de origem indígena Pedro Castillo. Ele foi acusado de tentar um golpe de Estado, ao querer dissolver o Congresso, controlado pela direita, que estava a ponto de destituí-lo do poder por suspeita de corrupção.

Castillo foi substituído por Boluarte, sua vice-presidente, mas ela é vista como “traidora” pelos manifestantes.

Turistas ilhados em Machu Picchu

A suspensão dos trens para Machu Picchu, imposta na sexta (19) deixou pelo menos 417 turistas, entre estrangeiros e locais, ilhados em Aguas Calientes. Essa localidade fica no sopé da montanha, onde foi erguida a famosa cidadela inca.

“Não podem sair, porque a via férrea foi danificada em diferentes trechos. Alguns turistas optaram por ir andando até Piscacucho (localidade próxima de Ollantaytambo), mas é uma caminhada de seis horas, ou mais, e muito poucas pessoas conseguem fazê-la”, declarou o ministro do Comércio Exterior, Luis Fernando Helguero, à imprensa.

“Não temos certeza de que um trem virá nos buscar. Como podem ver, todos os turistas aqui estão fazendo fila, recolhendo assinaturas e se registrando” para que possam ser evacuados, disse à AFP o chileno Alem López.

(Fonte: AFP)

Veja também:

Receba a Curto 💌 Newsletter