pexels-polina-tankilevitch-3735747-scaled-aspect-ratio-930-440
😷 Curto Saúde

Sintomas de covid-19 desaparecem em um ano em casos leves, segundo estudo

12-jan 10:08
2 min

Segundo um estudo israelense que foi divulgado nesta quinta-feira (12), a maioria dos sintomas de covid-19 de longo prazo desaparece em um ano em pessoas com infecções leves.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), pelo menos 17 milhões de pessoas na Europa apresentaram sintomas prolongados de covid-19 após se recuperarem da infecção inicial em 2020 e 2021.

No entanto, dúvidas surgiram sobre essa condição, incluindo quanto tempo dura.

Pesquisadores em Israel analisaram os históricos médicos de quase dois milhões de pessoas de todas as idades que tiveram covid-19 no país entre março de 2020 e outubro de 2021.

Os resultados, portanto, incluíram as variantes iniciais do coronavírus, como a delta, e não as variantes mais recentes da ômicron.

Os cientistas procuraram mais de 70 sintomas diferentes associados à covid de longo prazo e excluíram os casos mais graves, que segundo as pesquisas iniciais apresentam maior risco de se estenderem por um longo período.

Em casos leves, o estudo encontrou um risco significativamente aumentado de várias condições, incluindo perda de olfato e paladar, problemas respiratórios, fraqueza, palpitações, infecções na garganta, tonturas e dificuldades de concentração e perda de memória.

No entanto, a maioria dos sintomas desapareceu em 12 meses.

“Há um pequeno grupo de pessoas que ainda sofre de falta de ar ou fraqueza um ano após a covid”, disse Maytal Bivas-Benita, pesquisadora do Instituto KI de Israel e coautora do estudo.

O estudo publicado na revista BMJ também constatou que os pacientes vacinados têm menor risco de problemas respiratórios – o sintoma mais comum – em comparação aos não vacinados.

As crianças tiveram menos problemas do que os adultos e geralmente se recuperaram em menos de um ano.

Bivas-Benita disse à AFP que os resultados são positivos, depois de temer que os sintomas pudessem prolongar-se com o tempo.

“A grande maioria dos pacientes ficará bem depois de um ano”, garantiu.

Leia também:

Receba notícias e newsletters do Curto News no WhatsApp e Telegram.