matt-hardy-6ArTTluciuA-unsplash-1-aspect-ratio-930-440
🌎 Curto (Sobre)Viver

Cientistas americanos criam sistema para transformar umidade do mar em água potável

3-jan 15:20
2 min

Uma equipe de cientistas americanos inventou um sistema que pode permitir a captura da umidade oceânica para transformá-la em água potável, segundo um estudo publicado na revista Nature. Ao invés de se perder na atmosfera, o ar saturado de água seria capturado por estruturas de extração, situadas nos litorais, para depois ser condensado e transportado por dutos para depósitos adequados.

Com a mudança climática, “vamos ter que encontrar uma forma de aumentar a oferta de água doce porque a conservação e a reciclagem de água de fontes existentes, embora sejam essenciais, não serão suficientes para responder às necessidades humanas”, explicou Praveen Kumar, professor da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign (UIUC), um dos autores do estudo.

Em comparação com a dessalinização clássica, este método teria uma vantagem importante: ao evaporar e transformar-se em gás, a água do mar perde quase a totalidade de seu sal natural. É por isso que a água da chuva não é salgada.

Assim, o sistema consumiria muito menos energia e também teria um impacto ambiental bastante inferior à dessalinização clássica, que produz resíduos como a salmoura, com alta concentração de substâncias tóxicas.

Segundo esses cientistas, os parques eólicos offshore e as placas solares terrestres poderiam contribuir para alimentar o circuito de purificação. Os pesquisadores consideram que esta técnica reproduz o sistema natural, mas de forma direcionada.

Os cientistas se apoiam em uma simulação a partir de 14 lugares onde há problemas de abastecimento hídrico, como Los Angeles e Roma. Com base nos modelos, este tipo de dispositivo poderia gerar entre 37,6 bilhões e 78,3 bilhões de litros de água por ano, dependendo das condições locais.

“As projeções climáticas mostram que o fluxo de vapor oceânico vai aumentar ao longo dos anos, o que proporcionará ainda mais água doce”, declarou a coautora do estudo, Afeefa Rahman.

(Fonte: AFP)

Leia também:

Receba notícias e newsletters do Curto News no WhatsApp e Telegram.