9 maneiras pelas quais a IA está ajudando a combater as mudanças climáticas

O poder da inteligência artificial (IA) para processar enormes quantidades de dados e ajudar os humanos a tomar decisões está transformando as indústrias. Sendo um dos desafios mais difíceis do mundo, o combate às alterações climáticas é outra área onde a IA tem potencial transformacional.

Quase 4 bilhões de pessoas já vivem em áreas altamente vulneráveis ​​às alterações climáticas, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). E espera-se que isto cause cerca de 250 000 mortes adicionais por ano entre 2030 e 2050, apenas devido à subnutrição, malária, diarreia e stress térmico.

PUBLICIDADE

Aqui estão nove maneiras pelas quais a inteligência artificial já está ajudando a combater as mudanças climáticas.

1. Os icebergs estão derretendo – a IA sabe onde e com que rapidez

A IA foi treinada para medir mudanças em icebergs 10.000 vezes mais rápido do que um ser humano conseguiria.

Isto ajudará os cientistas a compreender a quantidade de água derretida que os icebergs libertam para o oceano – um processo que se acelera à medida que as alterações climáticas aquecem a atmosfera.

PUBLICIDADE

Cientistas da Universidade de Leeds, no Reino Unido, afirmam que a sua IA pode mapear grandes icebergs antárticos em imagens de satélite em apenas um centésimo de segundo, relata a Agência Espacial Europeia.

Para os humanos, esta tarefa é demorada e é difícil identificar icebergs em meio ao branco das nuvens e do gelo marinho.

2. Mapeando o desmatamento com IA

A IA, as imagens de satélite e os conhecimentos especializados em ecologia também estão sendo utilizados para mapear o impacto da desflorestação na crise climática.

PUBLICIDADE

A Space Intelligence, uma empresa com sede em Edimburgo, na Escócia, afirma estar trabalhando em mais de 30 países e mapeou mais de 1 milhão de hectares de terra a partir do espaço usando dados de satélite.

A tecnologia da empresa mede remotamente métricas, como taxas de desmatamento e quanto carbono está armazenado em uma floresta.

3. A IA está ajudando as comunidades que enfrentam riscos climáticos em África

Em África, a IA está sendo utilizada em um projeto das Nações Unidas para ajudar comunidades vulneráveis ​​às alterações climáticas no Burundi, no Chade e no Sudão.

PUBLICIDADE

Projeto IKI utiliza tecnologia de IA para ajudar a prever padrões climáticos, para que as comunidades e as autoridades possam planejar melhor a forma de se adaptarem às alterações climáticas e mitigarem o seu impacto.

Isto inclui melhorar o acesso à energia limpa, implementar sistemas adequados de gestão de resíduos e incentivar a reflorestação.

4. Usando a IA para reciclar mais resíduos

Outro sistema de IA está ajudando a combater as alterações climáticas, tornando a gestão de resíduos mais eficiente.

PUBLICIDADE

Os resíduos são grandes produtores de metano e são responsáveis ​​por 16% das emissões globais de gases de efeito estufa (GEE), de acordo com a Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos.

A Greyparrot, uma startup de software com sede em Londres, Reino Unido, desenvolveu um sistema de IA que analisa instalações de processamento e reciclagem de resíduos para ajudá -los a recuperar e reciclar mais resíduos.

A empresa rastreou 32 bilhões de itens de resíduos em 67 categorias de resíduos em 2022 e diz que identifica 86 toneladas de material, em média, que podem ser recuperadas, mas estão sendo enviadas para aterros sanitários.

5. A IA está limpando o oceano

Nos Países Baixos, uma organização ambiental chamada The Ocean Cleanup está utilizando IA e outras tecnologias para ajudar a eliminar a poluição plástica dos oceanos.

A IA que detecta objetos está ajudando a organização a criar mapas detalhados do lixo oceânico em locais remotos. Os resíduos oceânicos podem então ser recolhidos e removidos, o que é mais eficiente do que os métodos de limpeza anteriores.

A poluição plástica contribui para as mudanças climáticas emitindo GEE e prejudicando a natureza.

6. A IA ajuda a prever desastres climáticos

Em São Paulo, no Brasil, uma empresa chamada Sipremo está usando a IA para prever onde e quando ocorrerão desastres climáticos e que tipo de desastres climáticos eles serão.

O objetivo é ajudar as empresas e os governos a prepararem-se melhor para as alterações climáticas e os desafios crescentes que as acompanham para as comunidades.

A empresa trabalha em setores como seguros, energia, logística e desporto, onde a sua análise das condições de desastre e de fatores como a qualidade do ar pode informar decisões sobre atrasar ou suspender eventos.

7. Uma lista de desejos de ferramentas climáticas de IA

O Google DeepMind, laboratório de pesquisa de IA do Google, afirma que está aplicando IA para ajudar a combater as mudanças climáticas em diversas áreas.

Isto inclui a construção de uma lista completa de conjuntos de dados que promoveriam soluções globais de IA para as alterações climáticas. O Google DeepMind está trabalhando nisso com a Climate Change AI, uma organização sem fins lucrativos criada por voluntários da academia e da indústria que veem um papel fundamental para o aprendizado de máquina no combate às mudanças climáticas.

Outras ferramentas de IA do Google estão focadas em melhorar a previsão do tempo e aumentar o valor da energia eólica, prevendo melhor a produção de um parque eólico.

8. Como a IA pode ajudar a descarbonizar a indústria

A IA está sendo utilizada para ajudar empresas dos setores metalúrgico e mineiro, petróleo e gás a descarbonizarem as suas operações.

A Eugenie.ai  com sede na Califórnia, Estados Unidos, desenvolveu uma plataforma de rastreamento de emissões que combina imagens de satélite com dados de máquinas e processos.

A IA analisa então estes dados para ajudar as empresas a rastrear, rastrear e reduzir as suas emissões em 20-30%.

Os setores industriais geram cerca de 30% das emissões de gases com efeito de estufa a nível mundial.

9. Reflorestando morros no Brasil usando drones

Computadores alimentados por IA estão se unindo a drones no Brasil para reflorestar as colinas ao redor da cidade costeira do Rio de Janeiro, relata a Reuters. Os computadores definem os alvos e o número de sementes a serem lançadas.

A iniciativa, lançada em janeiro de 2024, é uma parceria entre a prefeitura do Rio e a startup Morfo, e tem como objetivo o cultivo de sementes em áreas de difícil acesso.

Um único drone pode dispersar 180 cápsulas de sementes por minuto, o que é 100 vezes mais rápido do que usar mãos humanas para o reflorestamento tradicional, segundo o governo local.

Leia também:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima