Créditos da imagem: Curto News/BingAI

EUA intensificam guerra por chips contra China; entenda

O governo americano aumentou suas restrições às exportações de chips e equipamentos para sua fabricação, fechando brechas que permitiam que empresas chinesas tivessem acesso à tecnologia avançada.

Há um ano, o governo dos Estados Unidos introduziu sanções de chips, com o objetivo de enfraquecer a capacidade da China de desenvolver inteligência artificial avançada. No entanto, essas sanções continham brechas que permitiam que empresas chinesas continuassem comprando e construindo chips usados para treinar alguns dos algoritmos de IA mais avançados do mundo. Hoje, os EUA anunciaram que estão apertando os controles para tentar fechar essas lacunas.

PUBLICIDADE

As novas restrições, anunciadas pelo Departamento de Comércio, também impõem novas regras para relatar as vendas de outros tipos de chips avançados, novos controles sobre as vendas de equipamentos avançados de fabricação de chips e software de design, além de estatutos para impedir que empresas chinesas obtenham chips por meio de subsidiárias estrangeiras.

“Isso é um reforço pela administração Biden dos objetivos dos controles de exportação do ano passado”, diz Gregory Allen, diretor de um centro de estudos avançados no Center for Strategic and International Studies e apoiador das restrições. “A administração Biden agiu para fechar as brechas mais importantes e deixou claro seu desejo de fechar quaisquer futuras que forem descobertas.”

As restrições introduzidas há um ano marcaram uma nova era de tecno-competição entre Washington e Pequim. A administração Biden afirma que esses controles são necessários para evitar que a China utilize a IA para fins militares. A China acusou os Estados Unidos de tentar sufocar seu progresso tecnológico e econômico.

PUBLICIDADE

As regras de 2022 impediram as empresas de venderem chips de treinamento de IA poderosos, capazes de compartilhar dados entre si na velocidade mais rápida, algo necessário para construir os clusters de computadores mais poderosos.

Os controles proibiram a maior fabricante de chips do mundo, a Nvidia, de vender os chips H100 e A100 – os chips de treinamento de IA mais poderosos do mundo – para empresas na China. No entanto, a Nvidia rapidamente desenvolveu um produto alternativo, chamado H800 e A800, que contornou os controles dos EUA. Embora sejam mais lentos que os chips mais avançados, o H800 e A800 ainda são úteis para construir aplicações avançadas de IA.

Empresas de tecnologia chinesas, incluindo Bytedance, proprietária do TikTok, Baidu, Alibaba e Tencent, teriam feito pedidos no valor de US$5 bilhões em chips H800 nos últimos meses. Não está claro se essas vendas serão concluídas antes que as novas restrições entrem em vigor.

PUBLICIDADE

Em um evento em Pequim nesta semana, a gigante de buscas chinesa Baidu anunciou uma nova versão de seu modelo de linguagem mais capaz, chamado Ernie 4.0. A Baidu afirma que o desempenho deste modelo é comparável ao do modelo de IA por trás do ChatGPT. A empresa disse que usou dezenas de milhares de chips para treinar o Ernie 4.0. Não especificou o tipo de chip utilizado, mas uma fonte na empresa, que pediu para falar anonimamente por não estar autorizada a discutir o assunto, confirmou que foram utilizados chips da Nvidia.

As novas regras impedirão as empresas de vender chips com base em sua velocidade de processamento e na densidade de energia, ou seja, a quantidade de poder de processamento compactada em uma área quadrada. O governo dos EUA não nomeou o chip H800, mas é amplamente visto como um alvo das novas restrições.

Allen diz que as novas restrições sobre equipamentos de fabricação de chips podem ser tão importantes quanto as regras mais rígidas em torno das vendas de chips de treinamento de IA. Essas regras proibirão a venda de alguns equipamentos, ao contrário das restrições anteriores que dependiam do uso final, impedindo que empresas chinesas obtivessem equipamentos obscurecendo suas intenções.

PUBLICIDADE

“Esses controles mantêm nosso foco claro em aplicações militares e enfrentam as ameaças à nossa segurança nacional representadas pela estratégia de fusão militar-civil do governo chinês”, disse a secretária de comércio dos EUA, Gina Raimondo, em um comunicado emitido pelo Bureau of Industry and Security do Departamento de Comércio.

As restrições de 2022 têm sido controversas entre os fabricantes de chips dos EUA, com alguns relatos indicando resistência à perspectiva de mais controles.

A Semiconductor Industry Association, um órgão que representa as empresas de chips dos EUA, emitiu uma declaração em resposta às novas restrições, sinalizando sua preocupação.

PUBLICIDADE

“Reconhecemos a necessidade de proteger a segurança nacional e acreditamos que manter uma indústria saudável de semicondutores nos EUA é um componente essencial para alcançar esse objetivo”, diz a declaração. “Controles unilaterais excessivamente amplos correm o risco de prejudicar o ecossistema de semicondutores dos EUA sem avançar na segurança nacional, incentivando os clientes no exterior a procurar em outros lugares. Nesse sentido, instamos a administração a fortalecer a coordenação com aliados para garantir um campo de jogo nivelado para todas as empresas.”

Leia também:

Procurando uma ferramenta de Inteligência Artificial para facilitar a sua vida? Neste guIA, você navega por um catálogo de robôs movidos a IA e conhece suas funcionalidades. Confira a avaliação que a nossa equipe de jornalistas deu para elas!

Rolar para cima