Investimentos em startups de IA disparam no 2º trimestre, ultrapassando outras áreas
Créditos da imagem: Curto News/Bing AI Creator

Investimentos em startups de IA disparam no 2º trimestre, ultrapassando outras áreas

O investimento em startups de inteligência artificial (IA) disparou para US$ 24 bilhões entre abril e junho, mais do que o dobro do trimestre anterior, de acordo com dados da Crunchbase. Isso reforça o crescente interesse por essa nova tecnologia.

PUBLICIDADE

No geral, o financiamento de startups cresceu 16% na comparação trimestral, atingindo US$ 79 bilhões no último período. Esse aumento foi impulsionado principalmente pelos investimentos em IA, que se tornou o maior setor pela primeira vez, seguido por saúde e biotecnologia.

Por que isso é importante

O sucesso estrondoso do ChatGPT da OpenAI desencadeou uma corrida para adoção da mais recente tecnologia de IA em áreas como produtividade empresarial, saúde e manufatura. No entanto, investidores e grandes empresas de tecnologia afirmam que os ganhos significativos de seus massivos investimentos em IA só se concretizarão nos próximos anos.

Em números

Cinco das seis rodadas de financiamento de US$ 1 bilhão ou mais foram destinadas a empresas de IA. Os principais negócios incluíram a xAI de Elon Musk, que captou US$ 6 bilhões, e a CoreWeave, provedora de infraestrutura de IA, que levantou US$ 1,1 bilhão em sua última rodada de financiamento. Também estão na lista a Wayve, empresa de direção autônoma, e a Scale AI, companhia de preparação de dados.

PUBLICIDADE

Fora da IA, a empresa de cibersegurança Wiz levantou US$ 1 bilhão em sua última rodada de financiamento.

Panorama geral

Apesar do aumento no último trimestre, o financiamento de startups permanece baixo em comparação com os níveis observados nos últimos três anos.

O financiamento global caiu 5% para US$ 147 bilhões no primeiro semestre do ano e se manteve estável em relação ao segundo semestre de 2023, de acordo com a Crunchbase. A política monetária restritiva nos EUA contribuiu para uma lenta retomada das ofertas públicas iniciais (IPOs), prejudicando uma das maiores fontes de retorno para investidores institucionais do mercado privado, que normalmente investem em startups e vendem ações durante os IPOs.

PUBLICIDADE

Leia também:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima