Créditos da imagem: Curto News/BingAI

Uso de IA pode ser capaz de tratar doenças sem cura

A empresa de biotecnologia de inteligência artificial (IA), Insilico Medicine, teria entrado na primeira fase de seus ensaios clínicos para o ISM5411. O medicamento, projetado por IA, visa tratar a Doença Inflamatória Intestinal (DII), que atualmente não tem cura e possui muito poucos tratamentos.

De acordo com Alex Zhavoronkov, fundador e CEO da Insilico Medicine, se licenciado, seria o primeiro medicamento para tratar a DII inibindo o domínio da prolil hidroxilase (PHD), uma proteína que controla os genes do corpo que defendem a barreira intestinal.

PUBLICIDADE

A maioria dos medicamentos atuais para DII são anti-inflamatórios e requerem imunossupressão para funcionar, portanto, o relatório afirma que há riscos associados a essa abordagem, já que a supressão do sistema imunológico pode levar a doenças malignas e infecções persistentes. Enquanto outros biológicos usados no tratamento da DII são administrados por via intravenosa (IV) ou por autoinjeção.

Zhavoronkov concluiu que, em vez de apenas tratar os sintomas, há uma necessidade crítica de um novo medicamento contra a DII que se concentre na reparação e reconstrução da mucosa intestinal para resultar em melhoria a longo prazo da doença.

O CEO mencionou que o ISM5411, um medicamento oral, é classificado como restritivo intestinal, o que significa que afeta apenas o trato gastrointestinal e não tem efeito em outras regiões do corpo. Mais notavelmente, ele auxilia na restauração da função gastrointestinal normal, promovendo a cicatrização da mucosa.

PUBLICIDADE

Para avaliar a segurança e tolerabilidade do medicamento para DII da Insilico em doses progressivamente mais altas, 76 voluntários saudáveis na Austrália começaram formalmente o processo de teste. Após a conclusão do ensaio da Fase 1, a Insilico pretende iniciar um ensaio clínico multicêntrico global com três grupos de tratamento e um grupo de placebo nos Estados Unidos, China e outros países.

Conforme o relatório, o modelo específico de inteligência artificial que a empresa utilizou para criar o medicamento foi o Chemistry42, uma engine de IA comparável ao ChatGPT que é projetada para criar novas moléculas conforme as direções e instruções dos autores.

A plataforma de IA utilizada criou e classificou várias possíveis compostos que poderiam atender aos requisitos da empresa. Em seguida, a equipe de pesquisa e desenvolvimento da empresa criou e examinou uma variedade de compostos potenciais, decidindo finalmente que o ISM5411 era o candidato mais provável.

PUBLICIDADE

De acordo com a Bloomberg, a IA é uma tendência na indústria farmacêutica. No entanto, atualmente não existem evidências suficientes para sustentar a afirmação de que medicamentos baseados em IA podem salvar vidas.

Muitos produtos que contam com a IA podem enfrentar desafios, e pode levar vários anos para que os medicamentos Insilico cheguem ao mercado ou falhem durante o desenvolvimento. O artigo destaca que, apesar dessa incerteza, qualquer avanço teria efeitos amplos, abrindo portas para novos tratamentos com IA mais baratos que podem salvar vidas e reduzir os custos para os sistemas de saúde.

Leia também:

Procurando uma ferramenta de Inteligência Artificial para facilitar a sua vida? Neste guIA, você navega por um catálogo de robôs movidos a IA e conhece suas funcionalidades. Confira a avaliação que a nossa equipe de jornalistas deu para elas!

PUBLICIDADE

Rolar para cima