Elon Musk twitta falsa alegação climática

Elon Musk, bilionário dono do Twitter, afirmou falsamente que a agricultura não tem grande efeito sobre o clima - provocando correções de cientistas e aumentando o medo de desinformação na influente plataforma de mídia social.

Em um tweet no final de junho, Musk disse que “o que acontece na superfície da Terra (por exemplo, a agricultura) não tem impacto significativo nas mudanças climáticas“. Ele continuou afirmando que o risco da mudança climática veio predominantemente da movimentação de carbono nas profundezas do subsolo para a atmosfera. “Com o tempo, se continuarmos fazendo isso, a composição química de nossa atmosfera mudará o suficiente para induzir uma mudança climática significativa”.

PUBLICIDADE

Os cientistas rapidamente apontaram que ele estava errado em dois aspectos. Primeiro, a poluição de gases de efeito estufa da agricultura, silvicultura e outros usos da terra representou 13-21% das emissões globais entre 2010 e 2019. Em segundo lugar, os humanos aqueceram o planeta em 1,2 graus Celsius, o que já causou eventos climáticos extremos de inundações costeiras a ondas de calor mais fortes e mais prováveis.

As atividades humanas, principalmente por meio de emissões de gases de efeito estufa, sem dúvida causaram o aquecimento global”, tuitou o Instituto Internacional de Análise de Sistemas Aplicados, uma organização global de pesquisa com sede na Áustria, em resposta a Musk.

Negação e abuso do clima

O nível de negação climática no Twitter aumentou no ano passado, de acordo com uma análise recente publicada pelo grupo de campanha global Climate Action Against Disinformation e pelo pesquisador de desinformação Abbie Richards.

PUBLICIDADE

A partir de julho de 2022, eles descobriram que o número de tweets com termos de negação climática aumentou de cerca de 30 mil por semana para cerca de 110 mil. Os tweets incluíam alegações de que a mudança climática é uma “fraude” promovida por “globalistas”.

Os cientistas dizem que o nível de abuso dos negadores do clima também aumentou desde que Musk assumiu.

Agricultura e mudanças climáticas

Musk também é o chefe da SpaceX, que fabrica espaçonaves, e da Tesla, que fabrica carros elétricos. Na última década, ele fez vários comentários sobre a gravidade das mudanças climáticas, que descreveu como reais e catastróficas.

PUBLICIDADE

Mas nos últimos meses, Musk minimizou o papel da agricultura e disse que os esforços para conter a poluição das fazendas não ajudarão. Em resposta a um tweet em março sobre os agricultores belgas protestando contra as leis para reduzir as emissões de nitrogênio, ele disse: “Sou super pró clima, mas definitivamente não precisamos tirar os agricultores do trabalho para resolver a mudança climática.”

Então, em junho, Musk respondeu a um artigo sugerindo que a Irlanda pode abater 200 mil vacas para atingir suas metas climáticas de 2025 com: “Isso realmente precisa parar. Matar algumas vacas não importa para a mudança climática”.

De acordo com a agência de proteção ambiental da Irlanda, a agricultura foi responsável por 38% das emissões de gases de efeito estufa do país em 2021. A maior parte disso veio na forma de metano do gado e óxido nitroso de fertilizantes e estrume. Alguns cientistas alertam que a redução dos rebanhos em um país pode aumentá-los em outros se a demanda por carne não cair com a oferta. Ainda assim, eles concordam que as emissões de gado são um dos principais contribuintes para a mudança climática.

PUBLICIDADE

Os líderes mundiais prometeram limitar o aquecimento global a 1,5 grau Celsius até o final do século, mas suas políticas atuais o colocam no caminho para quase o dobro disso. Vários estudos nos últimos anos descobriram que as emissões da agricultura são suficientes para ultrapassar o orçamento de carbono por conta própria.

Só o consumo global de alimentos poderia adicionar quase 1 grau Celsius ao aquecimento até 2100, de acordo com um estudo publicado na revista Nature Climate Change (🇬🇧) em março. Mais da metade do aquecimento pode ser evitado produzindo alimentos melhores, adotando dietas saudáveis ​​em todos os lugares – incluindo mais vegetais e menos carne –  e reduzindo o desperdício de alimentos dos consumidores e lojas, descobriram os pesquisadores.

Leia também:

(🇬🇧): conteúdo em inglês

(*): Conteúdos em outros idiomas traduzidos pelo Google Tradutor

(🚥): pode exigir registro e/ou assinatura 

Rolar para cima