Créditos da imagem: Curto News/BingAI

Mais da metade dos estudantes universitários no Reino Unido utilizam IA para realizar trabalhos, revela pesquisa

Mais da metade dos estudantes universitários do Reino Unido afirmam consultar programas de inteligência artificial (IA) para auxiliar em seus ensaios, enquanto escolas estão testando o uso dessa tecnologia na sala de aula.

Uma pesquisa realizada pelo Higher Education Policy Institute (Hepi) com mais de 1.000 estudantes universitários do Reino Unido revelou que 53% estão utilizando inteligência artificial (IA) para gerar conteúdo em trabalhos avaliados. Um em cada quatro está utilizando aplicativos como Google Bard ou ChatGPT para sugerir tópicos, e um em cada oito está utilizando essas ferramentas para criar conteúdo.

PUBLICIDADE

Apenas 5% admitiram copiar e colar textos gerados por IA sem edições em suas avaliações.

Os professores também estão buscando utilizar a inteligência artificial para otimizar seu trabalho, com a Education Endowment Foundation (EEF) inscrevendo escolas secundárias em um novo projeto de pesquisa sobre o uso de IA na geração de planos de aula, materiais de ensino, exames e respostas modelo.

O professor de direito de propriedade intelectual na Universidade de Sussex, Dr. Andres Guadamuz, afirmou que não é surpresa que mais estudantes estejam adotando a inteligência artificial e sugeriu que as instituições precisam ser explícitas ao discutir a melhor forma de usá-la como ferramenta de estudo.

PUBLICIDADE

“Implementei uma política de ter conversas maduras com os estudantes sobre a IA generativa. Eles compartilham comigo como a utilizam”, disse Guadamuz. “Minha preocupação principal é o número significativo de estudantes que não estão cientes do potencial para ‘alucinações’ e imprecisões na IA. Acredito que é nossa responsabilidade, como educadores, abordar esse problema diretamente.”

A pesquisa da Hepi constatou que um em cada três estudantes que usam IA não sabe com que frequência ela “alucina”, ou seja, inventa estatísticas, citações acadêmicas ou títulos de livros para preencher o que percebe como lacunas.

Guadamuz disse que recebeu ensaios no ano passado que claramente utilizaram a saída não editada do ChatGPT, identificados pelo estilo “entediante” em que foram escritos. No entanto, à medida que o uso de IA se espalha, a pesquisa constatou que menos estudantes estão dispostos a usá-la.

PUBLICIDADE

“O mundo está evoluindo, e como educadores precisamos nos adaptar estabelecendo diretrizes e políticas claras, além de criar avaliações mais desafiadoras. No entanto, isso é difícil em um ambiente com recursos limitados, onde os acadêmicos já estão sobrecarregados e mal remunerados”, afirmou Guadamuz.

De acordo com a proposta da EEF, o uso de IA pode ajudar a reduzir a carga de trabalho dos professores, além de melhorar a qualidade do ensino.

Metade das 58 escolas na Inglaterra participando do projeto da EEF receberá um conjunto de ferramentas para criar materiais de avaliação, como perguntas práticas, exames e respostas modelo, e adaptar as aulas a grupos específicos de crianças. Os planos de aula gerados por IA serão avaliados por um painel independente de especialistas.

PUBLICIDADE

Leia também:

Procurando uma ferramenta de Inteligência Artificial para facilitar a sua vida? Neste guIA, você navega por um catálogo de robôs movidos a IA e conhece suas funcionalidades. Confira a avaliação que a nossa equipe de jornalistas deu para elas!

Rolar para cima