boto cor de rosa
🌱 Curto Verde

Planeta perdeu 69% da fauna em menos de 50 anos; Arezzo &Co contra o desmatamento; microplásticos no leite materno e +

13-out 11:03
6 min
Créditos da imagem: ADRIANO GAMBARINI

Veja os destaques do Curto Verde desta quinta-feira (13): relatório aponta que o planeta perdeu 69% da fauna em menos de 50 anos, entre os animais com os maiores declínios populacionais no Brasil estão os botos amazônicos e as onças; cientistas revelaram ter encontrado microplásticos no leite materno pela primeira vez; o grupo Arezzo &Co quer rastrear o couro dos seus sapatos, para garantir que a matéria-prima não contribui para o desmatamento; e como as mudanças climáticas devem afetar as finanças da América Latina.

🦍 Planeta perdeu 69% da fauna em menos de 50 anos, diz estudo

Entre 1970 e 2018, o planeta perdeu 69% na abundância relativa de populações de vida selvagem monitoradas em todo o mundo.

Em 2014, esse índice era de 50%. Conforme o 14º Relatório Planeta Vivo (14º Living Planet Report), feito bianualmente pela WWF, em parceria com a Sociedade Zoológica de Londres, trata-se de uma dupla emergência que coloca em risco o futuro dos humanos: a perda de biodiversidade e as mudanças climáticas.

A alteração na utilização dos solos é a maior ameaça atual para a natureza, segundo o estudo, divulgado nesta quarta-feira (12). Isso ocorre com a destruição e a fragmentação dos habitats naturais de espécies vegetais e animais em terra, em água doce e no mar.

A nova edição do levantamento revela que a América Latina teve o maior declínio regional (94%), enquanto as populações de espécies de água doce registraram o maior declínio global (83%).

No Brasil, entre os animais com os maiores declínios populacionais estão o boto amazônico. Também estão na lista as onças, o gato-palheiro, os corais, o lagarto papa-vento da Bahia, e o tatu-bola.

Vídeo por: WWF

O relatório indica que os principais fatores do declínio das populações de vertebrados em todo o mundo são a degradação e perda de habitat, exploração, introdução de espécies invasoras, poluição, mudanças climáticas e doenças. Vários desses fatores desempenharam um papel na redução média de 66% das populações da África, bem como na queda de 55% das populações da Ásia e região do Pacífico.

Os dados são resultado do uso de técnicas de análise de mapeamento para construir uma imagem abrangente da velocidade, da escala das mudanças na biodiversidade e no clima e suas consequências. O Índice Planeta Vivo, dessa forma, atua como um indicador de alerta precoce, acompanhando as tendências na abundância de mamíferos, peixes, répteis, pássaros e anfíbios em todo o mundo.

“Se não conseguirmos controlar o aquecimento para que ele não passe de 1,5°C, as mudanças climáticas provavelmente se tornarão a causa principal da perda de biodiversidade nas próximas décadas”, aponta o documento.

Efeitos desproporcionais

O relatório da WWF aponta que os impactos recaem de forma desproporcional sobre as populações mais pobres. E também mostra estudos da América Latina – e especificamente da Amazônia – que dão suporte às causas do declínio das espécies, como as taxas de desmate em crescimento.

Já perdemos 17% da extensão original da floresta (Amazônica), e mais 17% foram degradados. A pesquisa mais recente indica que estamos nos aproximando rapidamente de um ponto de inflexão, que é o momento em que nossa maior floresta tropical perderá suas capacidades”, diz a pesquisa.

Os dados do relatório reforçam as estatísticas da Plataforma Intergovernamental sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES), ligada à ONU, que mostram que quase um milhão de espécies animais e vegetais estão ameaçadas de extinção no planeta. Parte delas se encontra em um nível de perigo nunca antes visto na história humana.

Soluções e oportunidade

Em dezembro, o Canadá receberá a 15ª Conferência da Biodiversidade da ONU. A expectativa é um novo Marco Global seja construído durante a reunião. Conforme o relatório da WWF, os sinais não são bons. “As discussões até agora estão presas no pensamento do velho mundo e nas posições inflexíveis, sem nenhum sinal da ação ousada necessária para alcançar um futuro positivo para a natureza”, afirma o documento.

🍼 Microplásticos são encontrados em leite materno pela primeira vez

Cientistas revelaram ter encontrado microplásticos no leite materno, de acordo com um estudo publicado na revista Polymers (🇬🇧) em junho deste ano. A descoberta ocorreu em 75% das amostras retiradas de 34 mães saudáveis, uma semana depois de darem à luz aos bebês, em Roma, na Itália.

Segundo reportagem do jornal britânico The Guardian (*), os pesquisadores aconselham as mulheres grávidas a evitar alimentos e bebidas embalados em plástico, cosméticos e cremes dentais contendo microplásticos.

👠 Arezzo quer rastrear o couro dos seus sapatos 

O grupo Arezzo &Co – um dos maiores fabricantes de sapatos do Brasil – quer chegar à origem da sua principal matéria-prima, o couro, para garantir que ela não está associada ao desmatamento.

De acordo com informação do portal Reset, a companhia – que além da marca que leva o seu nome é dona de Schutz, Anacapri, Alexandre Birman, Fiever, Alme e MyShoes, além da distribuição da Vans no Brasil – se comprometeu a ter a rastreabilidade completa da cadeia até 2024.

Blockchain

Através do uso da tecnologia blockchain, o movimento de procedência da matéria-prima vem ganhando força dentro da indústria da moda. No estrato de luxo, grandes marcas como Gucci e Hermes compram curtumes para verticalizar e ter controle sobre a origem do insumo. 

Blockchain é um grande banco de dados compartilhado que registra as transações dos usuários. A primeira aplicação da tecnologia foi proposta junto com o Bitcoin (BTC), em 2008, e continua sendo um dos pilares da primeira criptomoeda do mundo. Com o tempo, no entanto, também tomou vida própria e começou a andar sozinha, explorando outros mercados. (InfoMoney)

💰 Mudanças climáticas devem afetar finanças da América Latina

Os países da América Latina e do Caribe estão enfrentando graves crises socioeconômicas decorrentes de secas severas e eventos como chuvas intensas. O aumento da frequência e da intensidade desses eventos climáticos extremos pode colocar em risco o saldo fiscal – a diferença entre a arrecadação e os gastos públicos – dessas nações.

Assim, elas podem ter dificuldade para tomar novos empréstimos que ajudem a gerenciar as consequências de futuros desastres naturais, avalia Graham Watkins, chefe da divisão de mudanças climáticas do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Segundo Watkins, o número de desastres naturais na região triplicou em 50 anos e os eventos já geraram um custo em torno de US$ 3 bilhões anuais. (Agência FAPESP)

(com Estadão Conteúdo)

Curto Verde é um apanhado diário do que você precisa saber sobre meio ambiente, sustentabilidade e demais temas ligados à nossa sobrevivência e do planeta.

(🚥): pode exigir registro e/ou assinatura 

(🇬🇧): conteúdo em inglês

(*): conteúdos em outros idiomas são traduzidos pelo Google Tradutor