Nicolas Cage
Créditos da imagem: AFP

Nicolas Cage diz ter medo do uso de IA para recriá-lo em filmes

O ator Nicolas Cage, 60 anos, conhecido por seus papéis em filmes como “Motoqueiro Fantasma” e “A Lenda do Tesouro Perdido”, revelou em entrevista à revista The New Yorker um receio incomum: o uso de inteligência artificial (IA) para recriar pessoas, especialmente após a morte.

PUBLICIDADE

“Tenho pavor da inteligência artificial. Tenho falado muito sobre isso”, confessou Cage, demonstrando grande preocupação com a tecnologia e seus impactos na arte e na autenticidade das performances.

Sua aversão à IA o levou a tomar uma decisão radical: proibir o uso de sua imagem após o falecimento. “Onde vai acabar a verdade dos artistas? Vai ser substituída? Vai ser transformada? Onde estará a autenticidade? Quero dizer, o que você fará com meu corpo e com meu rosto quando eu morrer? Não quero nada com isso!”, questionou o ator, evidenciando seus receios sobre a manipulação de sua imagem e a perda de controle sobre sua própria identidade.

IA e a autenticidade em questão

As preocupações de Cage vão além da estética. Ele questiona a própria essência da arte e a autenticidade das performances quando a IA é utilizada para recriar pessoas. “Será que a IA poderá substituir a emoção genuína e a criatividade de um artista?”, pondera.

PUBLICIDADE

Cage teme que a IA leve à homogeneização da arte, à perda de originalidade e à padronização das performances. “Onde estará a alma da arte se tudo for criado por máquinas?”, questiona o ator, defendendo a importância da individualidade e da expressão humana autêntica.

Um artista reflexivo e engajado

A entrevista com Nicolas Cage demonstra um lado pouco conhecido do ator: um artista reflexivo e engajado com os debates contemporâneos sobre tecnologia, arte e autenticidade.

Suas preocupações com a IA levantam questões importantes sobre o futuro da arte e da própria humanidade em um mundo cada vez mais dominado pela tecnologia. As reflexões de Cage nos convidam a pensar criticamente sobre o papel da IA em nossas vidas e a importância de preservar a essência humana na arte e na cultura.

PUBLICIDADE

Leia também:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima