Créditos da imagem: Curto News/BingAI

Trabalhadores mais jovens estão utilizando menos IA no trabalho do que as Gerações X e Y, revela estudo

Um levantamento realizado pela Ernst & Young, que entrevistou cerca de 1.000 americanos, concluiu que profissionais mais velhos se mostram mais receptivos para o uso de inteligência artificial (IA) do que profissionais mais jovens.

Muitos pensariam que os Gen Z, nativos digitais que cresceram usando smartphones com reconhecimento facial, estariam mais abertos a adotar a inteligência artificial no trabalho para aumentar a produtividade em comparação com as gerações mais antigas. No entanto, um estudo recente sugere que o oposto pode ser verdadeiro.

PUBLICIDADE

A Ernst & Young trabalhou com um grupo de pesquisa independente para entrevistar 1.000 americanos que trabalham em tempo integral e parcial em diferentes faixas etárias. Os pesquisadores queriam entender como as preocupações em torno do uso de IA variavam por geração.

Surpreendentemente, a gigante de consultoria descobriu que trabalhadores americanos mais velhos parecem ser mais receptivos ao uso de IA do que seus colegas mais jovens. Quando questionados sobre quem usa mais a tecnologia no trabalho, 74% dos entrevistados da geração do milênio (nascidos entre 1981 e 1996) e 70% dos entrevistados da geração X (nascidos entre 1965 e 1980) disseram que usaram ferramentas como o ChatGPT da OpenAI no trabalho.

Mas os entrevistados da Geração Z foram uma história diferente. Apenas 63% dos americanos nascidos entre 1997 e 2005 disseram que usaram IA no trabalho.

PUBLICIDADE

Uma razão pela qual os Gen Z parecem confiar menos na IA do que os trabalhadores mais velhos, sugerem os pesquisadores, é que os americanos mais jovens podem estar menos convencidos de que a IA pode adicionar valor real.

“Embora isso possa surpreender muitos, para as gerações mais jovens e mais antigas no local de trabalho, a confiança na IA não se trata apenas de segurança: é sobre se a tecnologia funciona”, escreveu Marcie Merriman, líder de insights culturais da EY nas Américas, no estudo.

Outra explicação, segundo Merriman, poderia ser os diferentes graus de conforto que os mais jovens e os mais velhos têm ao implantar novas tecnologias.

PUBLICIDADE

A geração X pode sentir mais pressão para aprender a usar a IA no trabalho para acompanhar a rápida mudança e superar quaisquer desafios técnicos. Enquanto isso, os Gen Z — que cresceram com ferramentas de IA como o GPS como parte de suas vidas cotidianas e têm altas expectativas em relação à tecnologia — podem se afastar mais rapidamente quando ela não os beneficia.

“Os Gen Z cresceram em um espaço nativo de tecnologia, e estão muito mais expostos a quando a IA funciona e quando não funciona”, disse Dan Diasio, líder global de IA da EY, ao Business Insider. “Se a IA não funciona, eles partem para a próxima coisa.”

Uma coisa que ainda não está clara: se a IA faz com que os funcionários se saiam melhor no ambiente de trabalho. Enquanto alguns estudos indicam que a IA generativa economizou horas de trabalho, outros sugerem que o uso do ChatGPT pode fazer com que os trabalhadores tenham um desempenho pior.

PUBLICIDADE

Leia também:

Procurando uma ferramenta de Inteligência Artificial para facilitar a sua vida? Neste guIA, você navega por um catálogo de robôs movidos a IA e conhece suas funcionalidades. Confira a avaliação que a nossa equipe de jornalistas deu para elas!

Rolar para cima