revólver
🇧🇷 Curto Brasil

Intolerância política: assassinato de Arruda gera repúdio nas redes

11-jul 17:49
5 min

O bolsonarista Jorge Garanho assassinou um militante do PT após invadir sua festa de aniversário neste sábado (09). Bolsonaristas tentam se desviar relembrando a facada e o PT irá pedir federalização do caso à Procuradoria Geral da República.

A menos de três meses da eleição presidencial, o debate sobre a intolerância política no Brasil se acentuou após um petista ter sido assassinado por um bolsonarista. O crime ocorreu em Foz do Iguaçu, no Paraná, durante a festa de 50 anos de Marcelo Aloizio Arruda, que tinha como tema o Partido dos Trabalhadores (PT).

Diferentes autoridades se pronunciaram sobre o ocorrido*, que se soma a uma série de casos de violência política. Um levantamento do Instituto Locomotiva revelou que 25% dos brasileiros apresentam intolerância política.

“Pro Brasil voltar a sorrir”

A frase estava estampada no principal cartaz de decoração da festa, com a figura do ex-presidente Lula. Marcelo Arruda era guarda municipal e tesoureiro do PT, e foi baleado pelo agente penitenciário federal Jorge José da Rocha Guaranho, apoiador de Bolsonaro.

Guaranho invadiu a festa empunhando uma pistola Taurus calibre 40. Gritou palavras em defesa de Jair Bolsonaro, disparou contra o guarda municipal que, já ferido e caído no chão, revidou a tiros, atingindo o agressor. Ambos foram socorridos, mas Arruda morreu. Guaranho está internado em estado grave, porém estável.

Em seu perfil do Twitter, o atirador se declarava cristão, a favor das armas e contra o aborto.

Perfil de Jorge Guaranho no Twitter (10/07/2022).
Jorge Guaranho posta foto ao lado de Eduardo Bolsonaro no dia 22/06/2021

Atirador foi dado como morto

A Polícia Civil informou, num primeiro momento, que o atirador também havia morrido. Mas, a informação foi corrigida momentos depois. A divergência de versões foi alvo de críticas na internet.

Responsabilidade de Bolsonaro

Nas redes de opositores e críticos de presidente, o assassinato de Arruda foi atribuída às consequências dos discursos de ódio incentivados por Bolsonaro.

Dois dias antes do crime em Foz do Iguaçu, o presidente havia afirmado em live que perder a eleição não era seu medo. Afirmou, porém, que seus apoiadores saberiam “o que está em jogo”, fazendo referência à tentativa de reversão dos resultados eleitorais americanos em 2020.

“Você sabe como você deve se preparar, não para o novo Capitólio, ninguém quer invadir nada, mas sabemos o que temos que fazer antes das eleições”, disse.

Como o bolsonarismo reagiu?

Em resposta às críticas, o presidente publicou uma mensagem sem citar o assassinato em sua conta no Twitter mencionando um antigo post, que atribuía aos seus opositores a prática de violência.

Nas redes, o silêncio de Carlos e Eduardo, filhos de Bolsonaro, foi questionado. Os primogênitosc comumente respondem a questões que envolvem o governo de seu pai, como fez Flávio Bolsonaro às 19h46 de domingo, 10, chamando o caso de “ato isolado” que não tem “nada a ver com as pautas” defendidas pelo Bolsonarismo.

Em outro post no twitter, o repórter Daniel Rittner mencionou o fato de Eduardo ter feito um discurso a favor do armamento da população em Foz do Iguaçu, mesmo local em que o crime ocorreu. Eduardo também havia incentivado a rivalidade entre petistas e bolsonaristas no evento.

* Lula, ex-presidente: “Duas famílias perderam seus pais. Filhos ficaram órfãos, inclusive os do agressor. Meus sentimentos e solidariedade aos familiares, amigos e companheiros de Marcelo Arruda. Também peço compreensão e solidariedade com os familiares de José da Rocha Guaranho, que perderam um pai e um marido para um discurso de ódio estimulado por um presidente irresponsável.”

Rodrigo Pacheco, Presidente do Senado: “O assassinato (…) é uma a materialização da intolerância política que permeia o Brasil atual e nos mostra, da pior forma possível, como é viver na barbárie.”

Alexandre de Moraes, Ministro do Supremo Tribunal Federal: O respeito à livre escolha de cada um dos mais de 150 milhões de eleitores é sagrado e deve ser defendido por todas as autoridades no âmbito dos 3 Poderes.

Randolfe Rodrigues (Rede-AP), líder da oposição no senado: “Ainda esta semana iremos propor representação ao TSE para responsabilizar Jair Bolsonaro por discursos de ódio e incitação à violência.”


Foto de destaque: Pexels

Curto Curadoria