christian-lue-2Juj2cXWB7U-unsplash-scaled-aspect-ratio-930-440
💰Curto Economia

Qual é a importância da China para o mundo?

24-jan 14:24
5 min

A China, uma república socialista dirigida pelo Partido Comunista da China, é uma das civilizações mais antigas do mundo. Além das tradições e particularidades que chamam atenção para esta parte do mundo, a China tem um papel único na dinâmica político-econômica mundial. Vem cá que o Curto explica por que a China é tão importante para o mundo todo?

O nome oficial da China é República Popular da China. 

Foto: Unsplash

O país tem a maior população mundial: mais de 1 bilhão e 400 milhões de habitantes no terceiro maior país territorialmente. Atualmente, possui a segunda maior economia do planeta, portanto…

… é uma potência mundial!

Mas, para você entender a importância desse gigante asiático, é preciso conhecer um pouco de história.

Da antiguidade à atualidade: uma longa jornada

Se observamos um gráfico desde o nascimento de Cristo, a China teve a maior geração de riqueza até o século XIX. Mas essa situação se alterou com a guerra do ópio de 1839

Foto: Unsplash

A China tentou impedir o comércio de ópio, que vinha da Inglaterra, para os chineses.

A guerra foi sofrida, e por mais que a China tenha sido o país a inventar a pólvora, não tinha sido inserida na revolução industrial da Europa, então, tinha menor poder de fogo. 

A China batalhou contra o Japão entre 1839 e 1949, e esse ficou conhecido como “o século da humilhação chinesa”.

Os anos de guerra fizeram com que a nação asiática se tornasse, até a década de 1990, um dos países mais pobres do mundo.

Entre 1958 e 1961 a população viveu a grande fome chinesa, o país estava num patamar de miséria. 

O país priorizou a revolução industrial e deixou faltar comida para a população: milhares morreram, mas não se sabe o número ao certo.

Foto: Unsplash

Em 1978 a China passou por uma transformação política e transformou-se numa economia socialista: investiu em fábricas, com uma mão de obra extremamente barata.

Com isso, a China foi responsável por 10% de toda a produção global e virou a fábrica do mundo. O PIB cresceu e a renda per capita também. 

Em 2013, o presidente Xi Jinping refletiu sobre a tecnologia, e percebeu que o país precisava investir nisso para se tornar competitiva futuramente.

Tecnologia

O país começou a apoiar quatro empresas tecnológicas: Alibaba, Tencent, Baidu e Iflytek. E assim criou um ecossistema valioso, já que as empresas têm o compromisso de manter as tecnologias abertas para outras empresas chinesas.

No ocidente, as empresas implementam leis bem fortes sobre proteção de dados, o LGPD

Foto: Unsplash

Na China, as empresas têm todos os dados dos usuários e nenhuma regra contra isso. Mais fácil, né?

Para alguns especialistas, os dados são o petróleo do futuro. 

Então, quem tem mais informações sobre os cidadãos, tem potencial de construir os próximos impérios, caso faça um bom trabalho.

Big Brother ou Show de Truman?

A China tem mais de 400 milhões de câmeras com tecnologia de reconhecimento facial espalhadas pelas ruas, capazes de identificar cada pessoa. O estado consegue controlar a vida da população para que sigam as regras, já que as empresas compartilham os dados dos cidadãos com o governo. Um sistema eficaz para a segurança pública, e para o cumprimento das as regras de trânsito. 

Economia

Falando em potência econômica mundial, a China está atrás dos Estados Unidos, mas é considerada o país que mais cresceu economicamente nos últimos 25 anos. Anualmente, o PIB do país cresce cerca de 10%. As riquezas por lá ultrapassam os US$12 trilhões. 

A China é uma das melhores nações para investimentos estrangeiros, segundo a Organização Mundial do Comércio. 

Ranking
  • Maior exportador do mundo 
  • 3º maior importador do mundo.

Em 2017, a China exportou cerca de US$2,41 trilhões e importou US$1,4 trilhões, segundo o Observatório de Complexidade Econômica. 

E o que a China tem a ver com o Brasil?

A China é cada vez mais relevante na economia do Brasil, se considerado o destino das exportações brasileiras. A gigante asiática movimenta cerca de US$35 bilhões por ano.

A exportação do Brasil para a China teve uma alta de 2.900%, se comparar com o começo da série histórica, em 1997.

Para Alexandre Ratsuo Uehara, doutor em ciência política pela Universidade de São Paulo (USP) e professor de relações internacionais das Faculdades Integradas Rio Branco (FRB), o crescimento da China é sustentável no médio e longo prazos porque o país tem percebido e combatido as próprias fraquezas. O professor conversou com a Agência Senado sobre o potencial da China.

Ainda de acordo com o estudioso, a China era conhecida por produtos considerados “descartáveis”, mas hoje fornece itens de valor agregado com o desenvolvimento dos seus recursos humanos. Uehara lembrou que o país investe no sistema de ensino superior e em tecnologia nas universidades.

“A China aparece entre as cinco primeiras parceiras em importação e exportação, se olharmos as principais economias do mundo. Ela está no mundo inteiro, dona de marcas multinacionais que fazem parte do nosso dia a dia”, complementa.

Por isso, o professor considera importante o Brasil incluir a relação com a China entre as prioridades da política externa.

Curto Explica: tudo aquilo que você precisa saber e tem vergonha de perguntar!😉

Clique para ver mais conteúdos explicativos ⤴️

Veja também:

Receba notícias e newsletters do Curto News no WhatsApp e Telegram.